carregando
Carregando...
Caso a página demore muito para carregar,
aperte o botão "atualizar" do seu navegador ou a tecla "F5".

  • Receba informações e promoções de nosso site.


Notícias

G. Juventude

Meninas do Simeão levam a medalha de ouro no Torneio Feminino de Vôlei 2016, técnicas avaliam a competição

por Redação Graça Jovem-MT
24/10/2016 às 18:58h

 

O nosso resultado foi o troféu, a gente ganhou em primeiro lugar e  tenho certeza que todo mundo ali deu  seu melhor... 

"Todas ali dedicaram", avaliou a técnica do time campeão. Mas a empolgação maior da jovem Flávia Sinésio não foi tanto ao falar da vitória, e sim quando contou sobre o período de preparação para os jogos, das descobertas que fez a respeito das participantes da Tribo de Simeão durante os treinos: “as que não sabiam jogar (que já estavam na igreja) se superaram, conseguiram vencer algumas limitações que tinham com relação a elas mesmas; conseguiram vencer obstáculos negativos que elas pensavam a respeito de si. E com esse esporte conseguiram adquirir segurança, a confiar nelas mesmas e a entender que aquilo que elas não sabem fazer, não que nunca vão dar conta, mas que elas podem conseguir. Então trouxe uma certa segurança pra elas, se sentiram importantes por estar ali no meio, porque a gente tentou incluir todo mundo; todo mundo jogou, todo mundo teve seu espaço de mostrar. A gente ensinou, mostrou pra elas como fazer do jeito certo, passou a visão, o porquê daquilo, o porque daquele evento. E, principalmente, incentivamos a continuarem vindo, a continuar trazendo mais pessoas pra que o ministério venha a dar frutos. Como técnica, eu consegui enxergar um pouco da dificuldade de cada uma, e como o resultado a gente conseguiu chegar aonde a gente esperava”, declarou satisfeita.

Para Flávia, mais importante do que ter ganho o troféu foi a conquista de pessoas para o ministério: “a gente chamou sim gente de fora, gente que já jogava, mas como uma forma de evangelismo, entendeu?!; de buscar usar o vôlei como uma ferramenta pra ganhar essas almas. Tanto é que uma delas foi na vigília, foi no ponto de encontro e a outra diz que já vai sábado. Meninas que no intervalo de uma semana que a gente treinou (...), naquele intervalo elas conseguiram entender um pouco da visão do ministério e assim o resultado foi bem bacana”.

Demorou

Depois de quase quatro anos sem nenhum evento esportivo para as meninas, o Torneio Feminino de Vôlei Graça Jovem aconteceu no último domingo (23), na quadra do bairro Quilombo, em Cuiabá. Os jogos começaram 8 horas da manhã, com cerca de 150 pessoas presentes, contando os times e suas torcidas.

              

                Esse ano elas tavam cobrando bastante sempre me perguntavam "ah, quando que vai ter algo pras meninas, sempre só tem o futsal pros meninos..." 

"Como teve bastante procura, a gente acabou fazendo esse ano o vôlei pras meninas”, contou o líder do Ministério de Esporte. Além de atender ao anseio delas pelo evento, Yago Carvalho, assim como as técnicas dos times, afirmou que o maior alvo nem foi a realização dos jogos em si, mas sim alcançar as almas que estariam lá: “bastante gente foi convidada pra participar e com isso teve a oportunidade de conhecer o Graça Jovem, é esse o nosso maior objetivo”. Ele ainda garantiu que logo depois do Retiro 2017 vai organizar outro campeonato, isso por conta do grande interesse que as meninas demonstraram.

Em terceiro lugar ficou a Tribo de Zebulom, em segundo, a Tribo de Judá. As técnicas responsáveis pelas medalhas de bronze e prata também contaram como foi a experiência à frente dos times.      

 

Letícia Bordovicz, técnica da Tribo de Zebulom (3º lugar): Nós treinamos debaixo de sol, de chuva, treinamos de noite. Uma das minhas equipes ficou em terceiro lugar, mas o objetivo maior do torneio foi alcançado, (...) de aproximação das meninas uma das outras e de alcançar almas; Deus se alegra de comunhão onde o objetivo é crescer debaixo da Palavra. Como treinadora dos times do Zebulom, eu ensinei e aprendi muita coisa com elas. Gostei de ver o crescimento de cada uma e, pras meninas que ficaram de fora, não percam a próxima oportunidade, o próximo torneio. Vale muito a pena tirar um tempo pro lazer e reunir as meninas. Passe o seu nome ao responsável da sua tribo e não fica de fora, tá?! Porque Deus tá levantando uma nova geração e nós não podemos parar. Nova Geração, guerreiras Z, eu queria aproveitar a oportunidade e agradecer o empenho e a dedicação de cada uma, vestiram mesmo a camiseta!

 

Regiane Ferreira, técnica da Tribo de Judah (2º lugar): (...) Nós meninas temos uma dificuldade de nos unir pra que o jogo em si se torne interessante, pra que o jovem vá no dia do torneio pra assistir aos jogos. Nós não temos esse hábito igual aos meninos: eles treinam durante a semana praticamente o ano todo, pra que quando chegue a Copa eles já estejam até mesmo entrosados, e nós meninas não (...). Antes do torneio nós conseguimos ter só dois treinos oficiais, um dia a gente treinou ao ar livre num espaço de grama e no último treino, por sorte eu consegui conversar com o responsável pela quadra lá do Dom Aquino, que não estava sendo ocupada, então a gente conseguiu treino lá.

 

Marcante é que a mesma Regiane, hoje uma das responsáveis pelas atividades esportivas do Graça Jovem, foi atraída por meio do esporte. “Quando eu interessei a ir na igreja evangélica foi porque vi lá no mural que tinha futsal feminino. Foi uma coisa que me ajudou muito a ter interesse, a ir conhecer... então, é isso aí!”, finalizou a técnica do Judá, aproveitando pra deixar seu testemunho. 

FOTOS

                                


Time Judá

Time Zebulom

Comentários

Você precisa logar no site para poder enviar comentários. Clique aqui caso ainda não possua um cadastro em nosso site.

     

    1