carregando
Carregando...
Caso a página demore muito para carregar,
aperte o botão "atualizar" do seu navegador ou a tecla "F5".

  • Receba informações e promoções de nosso site.


Notícias

Saúde

Desenganada, jovem surpreende e se recupera de acidente grave

17/01/2017 às 10:22h
Tatiane foi atingida por um motociclista, em abril de 2016, ao tentar atravessar na faixa de pedestre

Desenganada pelos médicos, a jovem Tatiane de Oliveira Marcondes, de 19 anos, lutou contra todos os prognósticos negativos e se recuperou de um atropelamento que a deixou entre a vida e a morte, em abril de 2016.


Tatiane foi atropelada por um motociclista quando atravessava, na faixa de pedestre, a Avenida Fernando Corrêa da Costa, próximo à Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), onde estuda. Ela foi arremessada a uma distância de três metros. Em seguida, bateu fortemente com a cabeça em um bloco que delimita pistas. A jovem foi encaminhada inconsciente para o Pronto-Socorro de Cuiabá em estado gravíssimo, com o crânio aberto. Após passar pela primeira cirurgia, os médicos chamaram os familiares para dizer que parte da calota de sua cabeça seria retirada devido à quantidade de edemas e para evitar que ela tivesse morte cerebral.

Ao MidiaNews, a jovem disse estar totalmente recuperada, sem sequelas. E se considera um “milagre de Deus”. “Depois de tudo isso, eu me sinto uma pessoa feliz. Porque querendo ou não, isso chama a atenção das pessoas, porque elas perguntam como isso é possível e eu conto que isso foi obra de Deus na minha vida. Eu poderia morrer lá naquela pista, mas o Senhor me guardou. Então eu fico feliz de contar para as pessoas o que Ele fez na minha vida”, afirmou.

Tatiane ainda diz que, enquanto esteve internada, teve uma visão em que Deus afirmou para ela que sobreviveria ao acidente e seria um milagre. “No hospital eu tive uma visão de Deus. Ele falava que eu estava curada e falava pra eu ficar calma, que eu seria testemunha de um milagre, aonde eu estivesse. E é assim que eu estou querendo ser”, contou. A mãe da jovem, Claudia Simone de Oliveira, de 49 anos, lembra que após a filha ficar três dias internada na UTI da unidade hospitalar, os médicos afirmaram que ela poderia não acordar e, se acordasse, poderia não falar, nem andar. “Os médicos disseram que, se ela sobrevivesse, iria ficar com sequelas, que provavelmente eu não andaria mais ou sequer falaria. Eles disseram que ela mexeria apenas os olhos e ficaria vegetando. Meu marido chorou muito quando falaram isso para ele. Foi um choque terrível”, contou.


A recuperação de Tatiane foi uma surpresa apenas para os médicos, porque a família afirma que sempre acreditou em sua melhora. Ela recebeu alta após 20 dias de internação. “Ela teve alta no Dia das Mães. E, isso pra mim, foi um presente. Foi a maior riqueza que alguém já poderia ter me dado”, comemorou a mãe da jovem. A mãe conta que, após receber alta, a filha voltou para o hospital apenas para realizar o implante de uma nova calota – o que foi considerado um sucesso pelos médicos.


Hoje Tatiane voltou à sua rotina normal, como era antes de ser atropelada. E conta que se sente “100%”. Ela diz ainda que nunca se entristeceu pela fatalidade, que sempre confiou na recuperação. “Eu já voltei à minha rotina. Só não estou trabalhando ainda, mas também estou à procura. Posso dizer que eu me sinto 100%”, disse a jovem.

Família quer justiça

Apesar de a preocupação maior da família de Tatiane ser sua recuperação, hoje a mãe deseja que o responsável pelo atropelamento responda pelo que aconteceu. “Ele tem 61 anos, não tinha Carteira Nacional de Habilitação e a motocicleta que ele usava não estava no nome dele. Então tudo isso é errado. Uma pessoa não pode dirigir assim em alta velocidade e sem carteira”, explicou.


Claudia afirma que já procurou um advogado e pretende acionar na Justiça o responsável. “Ele tem que responder pelo que ele fez. Precisa haver consequências para que ele não faça de novo. O povo fala que a justiça é cega, mas não é só a Justiça não. Muitas vezes nós é que não corremos atrás e deixamos pra lá”, desabafou. A reportagem não conseguiu contato com os médicos que a atenderam no ano passado. 

Fonte: Midia News

Comentários

Você precisa logar no site para poder enviar comentários. Clique aqui caso ainda não possua um cadastro em nosso site.

     

    1